África, Escola de Negócios EENI Business School
Harmonia racial: implicações para a EENI

Implicações do princípio da harmonia racial

Harmonia racial: implicações para a Escola de Negócios EENI

Além das teclas pretas e brancas

Princípio da harmonia racial (EENI, Kwegyir Aggrey)

  1. O princípio da harmonia racial da EENI
  2. O princípio da harmonia racial James Emman Kwegyir Aggrey (teclas pretas e brancas)
  3. O princípio da harmonia racial de James Emman Kwegyir Aggrey e o Tristão e Isolda (Reflexão de Pedro Nonell)
  4. Além das teclas pretas e brancas (implicações para a EENI)

Wagner terminou de compor o Tristão e Isolda em 1859, perto de 150 anos atrás. Houve uma primeira tentativa fracassada de estrear a ópera em Viena, pois depois de 77 ensaios de orquestra, os músicos declararam o Tristão como «in-interpretável», era uma música muito diferente, muito diferente das regras da harmonia tradicional.

Em 1865, o Tristão e Isolda foi finalmente estreado em Munique, sob a batuta do grande maestro Hans Von Bülow (casado com Cosima, filha de Franz Liszt e futura esposa de Wagner), e com a inestimável ajuda de um visionário: o rei Ludwig II da Baviera, que financiou e forneceu todos os meios para a estreia.

Um rei que passou pela história não pelas suas guerras, mas pelo seu apoio à arte

O Tristão e Isolda é o fruto do amor sublime que Wagner experimentou com Matilde Wasendock. Talvez no Ocidente, uma música nunca tenha sido tão próxima de um sentimento.

Por trás de uma partitura, há um sentimento que o autor quer transmitir. Um sentimento é infinito, não pode ser medido. O autor tem que fazer um enorme esforço para capturar o infinito, na partitura, finita por definição. Algo está perdido nesse processo. A partir desse momento, o autor perde o controle do seu trabalho, dependerá de como cada músico o interpreta.

É da responsabilidade do intérprete, tentar transmitir esse sentimento original do autor para quem está ouvindo. O intérprete pode, ou não, ser respeitoso com a partitura, primeiro ele tem que estudá-la, racional e emocionalmente, e quando a toca, seu cérebro envia uns sinais nervosos para os seus músculos, para que finalmente os seus dedos percam as teclas, pretas e brancas do piano. Essas notas viajam em formas de onda pelo espaço e, no final, excitam, ou não, ao público.

Por trás das 88 teclas do piano, há um mecanismo complexo que faz com que uma série de cordas vibrem para produzir o som. A oitava mais baixa do piano, tem apenas uma corda, as duas seguintes, e todas as outras, têm três cordas.

Se observarmos as perto de 230 cordas do piano, veremos que não há «cordas brancas» nem «cordas pretas», simplesmente cordas. Quando tocamos o acorde de Tristão, dezenas de cordas (nem pretas nem brancas) vibram em uníssono para transmitir esse sentimento.

Acorde de Tristão (harmonia racial)

E esse é o princípio que aplicamos na EENI Global Business School. Na África há negros, brancos, mestiços, senufos, tuaregues, dogones, kanuris ou lobis. Haverá também estudantes ou professores turcos ou chineses, mas, assim como no piano, onde as teclas são apenas exteriores, o importante é a pessoa, o indivíduo, além de sua cor, raça, sexo ou religião.

A EENI não pode, e não quer, se comparar a uma obra de arte como o Tristão.

Mas a EENI pode ajudar dezenas de milhares de africanos a aceder a ensino superior de qualidade a preços acessíveis nas próximas décadas, podemos ajudá-los a encontrar um emprego melhor e, finalmente, podemos contribuir para o desenvolvimento socioeconómico do Burkina Faso e de África (missão da EENI Global Business School).

A EENI é transafricana, é organizada em redes de conhecimento distribuídas nos 54 países africanos, e teremos professores, estudantes e departamentos em toda a África. Para oferecer preços acessíveis, concentramos nossa estratégia em considerar o e-learning como uma inovação disruptiva. Todas essas características tornam nosso modelo universitário muito diferente de uma universidade tradicional. E por essa razão, implementamos o princípio da harmonia racial com base nas reflexões de James Emman Kwegyir Aggrey.

James Emman Kwegyir Aggrey (harmonia racial)

Pedro Nonell, Fundador e Presidente Escola de Negócios EENI

Pedro Nonell (EENI Global Business School (Escola de Negócios))

Estudar mestrado Negócios Comércio Exterior em Inglês Racial Harmony: implications Mestrados em Comércio Exterior e Negócios em francês Harmonie raciale : implications Estudar Mestrado negócios e comércio exterior EAD em espanhol Armonía racial: implicaciones

(c) EENI Global Business School (Escola de Negócios). A EENI implementou o teletrabalho. Favor entrar em contato por e-mail, WhatsApp ou pelo formulário de solicitação de informações
N�o usamos cookies